terça-feira, janeiro 11, 2005

...

É noite, e meu coração não me permite dormir.
A chuva mais uma vez lava a cidade e graciosamente perdoa seus pecados.
É noite e a cidade dos espelhos fenece sob o silêncio após a grande confusão:
O dia em que o sol brilhou, resplandesceu e tingiu de dourado cada centímetro de aço polido.
O dia em que o aço polido tornou-se tão musical quanto sinos de vidro - e soou no ar tépido de verão.
O dia em que a mornidão do vento trouxe consigo a languidez oriental dos gatos.
O dia em que os gatos comeram morcegos, e nada mais.
O dia em que os gatos, o dia em que as botas, o dia em que os espelhos
Retiniram todos em festa, comemorando a cidade em chamas, porque houveram chamas e houve confusão na cidade dos espelhos.
Quando chegou o final do dia, foi revelada enfim a verdade: os espelhos mentem ao contrário.
(Mas a questão, puramente estética e dialética, foi deixada de lado: a cidade é uma festa e os rojões confundem-se com o barulho dos sinos de vidro.)
O sol não se põe.

***

Alguém caminha pela cidade com a certeza de que a possui: ela, a cidade, uma babilônia apocalíptica a seduzir aqueles que em alguma ocasião puderam entrever, por momentos, um de seus pequenos pedaços brancos e pulsantes de concreto.

***

Subitamente, o sol se põe - porque precisa.

***

Então, a cidade funciona como um dia após o outro, deixando-se ocultar sob grossos cobertores de aleivosias e mediocridades para despertar em seguida, mais bela e livre do que antes, sob os eternos auspícios do astro -rei.

A lua confunde o coração dos homens e turva-lhes a visão. De novo, o silêncio de vidro pintado, a textura de porcelana a correr pelos dedos, a língua e a boca secas: ânsia e desalento.

É noite, e de novo a cidade impura.

[Marpessa, desavergonhadamente inspirada em "62 Modelo para Armar" e nela mesma]

8 comentários:

Anônimo disse...

Olá Marpessaaaa!
Desavergonhadamente inspirado em seu comentário lá no meu blog, resolvi passar por aqui, coisa que eu não fazia há tempos. Continuas com o belo ambiente. Tu cria uma atmosfera palpável, densa; gostei. Vou continuar lendo.
Beijão.

Gabriel
http://paocomfarofa.blog.uol.com.br

Anônimo disse...

O sol anda em círculos, e por isso não se importa de dizer coisas erradas.

Os espelhos só refletem quem os vê, e ainda quando este que vê está parado. parado, ele vê mal, porque perde a perspectiva daquele não é ele mesmo.

A cidade não é nenhum playground, e isso devia ter sido entendido em primeiro lugar. na cidade, busca-se a saída, o encontro, a pessoa, para que daí seja possível simplesmente descansar. e, na cidade, não se descansa.

teus tamanhos não querem permitir compreensão.

Marpessa disse...

cara pessoa anônima:

sinto muito, mas não entendi muito bem o que você escreveu. tenho alguns problemas sérios de compreensão - minha visão é, por vezes, demasiado estreita. mas pude perceber que há censura tua no modo como vi e descrevi a cidade: bem, quanto a isso só posso argumentar que a interpretação é minha, exclusivamente minha. desta forma, não há parâmetros a serem questionados. como você talvez bem saiba, a cidade se presta a múltiplas interpretações. não é "isto" ou "aquilo". usei-a de modo literário. quero ter a liberdade para isso.
de qualquer forma, obrigada pela colaboração e pelo tempo precioso dedicado a me escrever. continue a me visitar sempre, as portas estarão escancaradas para você.

Anônimo disse...

Estranho como a cidade por vezes se forma tão clara em minha mente, e logo após, desvanece como um suspiro tímido.
Talvez esta cidade exista somente para desafogar a ilusão. Mas que ilusão será essa, senão a de que a cidade existe e esteja a minha espera?

Bom o que vc escreve, bom mesmo. Está adicionada aqui nos meus links, voltarei mais vezes. Parabéns.

Abraço. Vivian Luiz - http://www.viviluiz.blogger.com.br

Márcia Maia disse...

Soberbo, Marpessa. Soberbo. Um beijo.

Anônimo disse...

Ah, mas ficou muito bom o texto! Beijos!
Ricardo, do Defenestrando o Inútil.

Anônimo disse...

Belo texto! Bom estar aqui. Bom 2005 pra você, Marpessa! Quando puder, faça-me também uma visita. É sempre bom ter alguém com afinidades por perto. Grande abraço, Ragazzo.
ragazzodifamiglia@yahoo.com.br
http://ragazzodifamiglia.zip.net

Anônimo disse...

necessario verificar:)