quinta-feira, março 17, 2005

[é a hora da estrela]
.
.
.

Havia a levíssima embriaguez de andarem juntos, a alegria como quando se sente a garganta um pouco seca e se vê que, por admiração, se estava de boca entreaberta: eles respiravam de antemão o ar que estava à frente, e ter esta sede era a própria água deles. Andavam por ruas e ruas falando e rindo, falavam e riam para dar matéria peso à levíssima embriaguez que era a alegria da sede deles. Por causa de carros e pessoas, às vezes eles se tocavam, e ao toque - a sede é a graça, mas as águas são uma beleza de escuras - e ao toque brilhava o brilho da água deles, a boca ficando um pouco mais seca de admiração. Como eles admiravam estarem juntos! Até que tudo se transformou em não. Tudo se transformou em não quando eles quiseram essa mesma alegria deles. Então a grande dança dos erros. O cerimonial das palavras desacertadas. Ele procurava e não via, ela não via que ele não vira, ela que, estava ali, no entanto. No entanto ele que estava ali. Tudo errou, e havia a grande poeira das ruas, e quanto mais erravam, mais com aspereza queriam, sem um sorriso. Tudo só porque tinham prestado atenção, só porque não estavam bastante distraídos. Só porque, de súbito exigentes e duros, quiseram ter o que já tinham. Tudo porque quiseram dar um nome; porque quiseram ser, eles que eram. Foram então aprender que, não se estando distraído, o telefone não toca, e é preciso sair de casa para que a carta chegue, e quando o telefone finalmente toca, o deserto da espera já cortou os fios. Tudo, tudo por não estarem mais distraídos.
.
.
.

Dá-me a tua mão: vou agora te contar como entrei no inexpressivo que sempre foi a minha busca cega e secreta. De como entrei naquilo que existe entre o número um e o número dois, de como vi a linha de mistério e fogo, e que é linha sub-reptícia. Entre duas notas de música existe uma nota, entre dois fatos existe um fato, entre dois grãos de areia por mais juntos que estejam existe um intervalo de espaço, existe um sentir que é entre o sentir - nos interstícios da matéria primordial está a linha de mistério e fogo que é a respiração do mundo, e a respiração contínua do mundo é aquilo que ouvimos e chamamos de silêncio.
.
.
.

Flores envenenadas na jarra. Roxas azuis, encarnadas, atapetam o ar. Que riqueza de hospital. Nunca vi mais belas e mais perigosas. É assim então o teu segredo. Teu segredo é tão parecido contigo que nada me revela além do que já sei. E sei tão pouco como se o teu enigma fosse eu. Assim como tu és o meu.
.
.
.

Meu Deus, me dê a coragem de viver trezentos e sessenta e cinco dias e noites, todos vazios de Tua presença. Me dê a coragem de considerar esse vazio como uma plenitude. Faça com que eu seja a Tua amante humilde, entrelaçada a Ti em êxtase. Faça com que eu possa falar com este vazio tremendo e receber como resposta o amor materno que nutre e embala. Faça com que eu tenha a coragem de Te amar, sem odiar as Tuas ofensas à minha alma e ao meu corpo. Faça com que a solidão não me destrua. Faça com que minha solidão me sirva de companhia. Faça com que eu tenha a coragem de me enfrentar. Faça com que eu saiba ficar com o nada e mesmo assim me sentir como se estivesse plena de tudo. Receba em teus braços meu pecado de pensar.

[Clarice Lispector]

5 comentários:

Andréa Muroni disse...

Ah, essas entrelinhas...

Anônimo disse...

aprendendo a gostar da CL...de vc eu já gosto tá Grega?!?! bj...cuida da Cigana ok?!?! Beanes

nora borges disse...

Passei por aqui depois de tempos sem visitar os blogs amigos. Lindo o texto e lindo a lembrança do texto da Clarice, que reconheci.
O língua de mariposa tá mudando de casa, viu.
veja o link aí.

Mestra dos sonhos disse...

Olá ! Vim lhe fazer uma visita e gostei muito dos textos e de suas colocações. Como vim aqui pela primeira vez vou deixar um sonho." A VIDA REVELA-SE AO MUNDO COMO UMA ALEGRIA. HÁ ALEGRIA NO JOGO ETERNAMENTE VARIADO DOS SEUS MATIZES, NA MÚSICA DAS SUAS VOZES, NA DANÇA DOS SEUS MOVIMENTOS. A MORTE NÃO PODE SER VERDADE ENQUANTO NÃO DESAPARECER A ALEGRIA DO CORAÇÃO DO SER HUMANO. UM BEIJO DA MESTRA

victor disse...

a clarice lispector tem sido ultrajada pelos estudantes de letras daqui, imagina só. é uma graça. o correto é qua alguem que escreveu a paixao segundo gh seja expulsa da literatura.