terça-feira, julho 05, 2005

Historinha cronópica (três autores)

um cronópio estava com muito frio. o pobrezinho, no entanto, não estava em sua casa e sim num ponto de ônibus, sob uma garoa fina de julho, e com uma bolha no pé direito. havia esquecido a carteira sobre a mesa da cozinha e seu guarda-chuva tinha apenas 5 varetas em bom estado.ele pensou com seus botões vermelhos: "estou tremelicando feito um dente-de-leão e não tenho um agasalho nem dinheiro. que farei?" [Marpessa]

Um fama que estava ocupado em sacudir nervosamente seu barômetro atravessava a "calle Suipacha" em direção ao cronópio, vociferando que imprestável, que onde ciência quando chuva mesmo assim, que vergonha chegar encharcado à casa do ministro, aranhas ou não aranhas.O cronópio viu que seus problemas não eram tão relevantes, olhou para seu guarda-chuva como quem sacode um barômetro, e ensaiou os primeiros passos de catala, que é o que cronópios fazem quando estão com frio, julho e chuva. [Caio Leonardo]

Do outro lado da Suipacha, dobrando a esquina da Calle Florida, vinha uma Esperança de guarda-chuva. O cronópio, mais úmido que nunca, e o Fama, visivelmente incomodado por haver molhado a barra de suas calças de linho francês, se olharam gravemente. Então o Cronópio soltou um uivo descomunal. O Fama cobriu a cara com sua maleta ensopada e se meteu fujão num dos cafés da Nove de Julho. A Esperança, sem entender bem a situação, foi buscar o Cronópio que se refugiara debaixo da marquize depois que a última lufada de vento quebrou as 3 varetas restantes do seu paráguas. Haviam caminhado já sete quadras quando a Esperança suspirou:-"Oh, está chovendo e eu nem tinha notado", e continuou assobiando um tango malíssimo que latejava lá no dedão do pé direito do nosso Cronópio. Era julho e admiráveis gotas se atiravam suicidas do alto das ventanas antes de pipocar no guarda-chuva da Esperança. Ela, por sua vez, nem notava. [Mariana Sanchez]

***

5 comentários:

Márcia disse...

Perfeito. Delícia.

beijo daqui.

yara disse...

dá licença, viu!, esse povo viaja.. rs. vou ler mais, vou ler mais.

Thiago Quintella disse...

Salvemos Cortázar! Este cara sempre me encanta! é impossível não ser influenciado por ele quando o lemos e vamos escrever, sofro isso ultimamente!!
abraços cronópios!

nora borges disse...

Viva a alma de Cortázar neste blog.Vivos seus cronópios. Lindos vocês!

Júlio disse...

Gostoso ler coisas assim logo cedo. Sei lá, me lembra bolinhos de chuva com canela, açucar e mostarda. Sim, eu como assim.