sábado, outubro 23, 2004

Confronto

Bateu Amor à porta da Loucura.
"Deixa-me entrar - pediu - sou teu irmão.
Só tu me limparás da lama escura
a que me conduziu minha paixão."

A Loucura desdenha recebê-lo,
sabendo quanto Amor vive de engano,
mas estarrece de surpresa ao vê-lo,
de humano que era, assim tão inumano.

E exclama: "Entra correndo, o pouso é teu.
Mais que ninguém mereces habitar
minha casa infernal, feita de breu,

enquanto me retiro, sem destino,
pois não sei de mais triste desatino
que este mal sem perdão, o mal de amar.

[Carlos Drummond de Andrade]

3 comentários:

Anônimo disse...

Quando ele nasceu, um anjo doido
desses feitos de sombra
disse: "Vai, Carlos..."

Ele foi...

e vive hoje, e sempre,
em quem é por ele iluminado...

http://moacircaetano.blog.uol.com.br

Laura disse...

Em todo amor há muito de loucura...
Como separar os dois?
Talvez seja esta a combinação perfeita da paixão.
Um beijo

Anônimo disse...

Pois eu aqui, em silêncio, pensando em não comentar...
Haveria de fazê-lo??

Júlio Castro
http://oestro.blogdrive.com